Melhores Apostas Esportivas, Prognósticos e Bônus – Apostaganha Brasil

As Zebras da Copa do Mundo 2018

deu zebra

As Zebras da Copa do Mundo 2018 – Realmente estamos tendo a Copa com maior zebras da História? é Motivo para tanto drama?

Como a Copa do Mundo é realizada apenas de 4 em 4 anos parece que a memória some dos fãs de futebol de todo o mundo.

Neste sentido começamos a absolutizar alguns resultados inesperados e transforma-los como coisas inéditas dentro de uma Copa.

Inclusive tentamos extrapolar estes resultados sobre uma nova realidade do futebol mundial aonde tudo seria mais equilibrado e aonde as grandes seleções não seriam mais tão dominantes.

No caso dos apostadores a coisa fica ainda mais dramática. Primeiro porque em período de Copa do Mundo é natural que muita gente venha para as apostas esportivas pelo mobilização que a Copa causa na sociedade.

E quando essas pessoas, que não estão acostumadas a este universo, mas querem apostar o que e fazem?

Apostam nos favoritos. Porque apostar nas grandes seleções é o atalho informacional mais usado em períodos de Copa do Mundo.

É Muito mais fácil para alguém que não acompanha muito o cenário do futebol apostar em Alemanhas, Brasils, Espanhas, e nas seleções gigantes.

E quando elas começam a não ganhar ou então serem eliminadas o desespero bate nestes apostadores e naturalmente o cenário fica um caos.

Todo mundo dizendo que esta é a Copa do Mundo das zebras, dos resultados inesperados, das surpresas.

Será que realmente estamos diante de uma Copa do Mundo com mais zebras e azarões do que o habitual?

Será que a Copa de 2018 realmente trouxe mais surpresas a ponto de mudar a avaliação do futebol mundial?

Na minha visão não.

Se reavivarmos nossa memória e analisarmos alguns resultados de Copa do Mundo mais recentes veremos que este tipo de coisa é perfeitamente normal e acontece sempre.

O Primeiro aspecto que devemos lembrar. Todos os ultimos campeões mundiais acabaram eliminados na fase de grupos, com exceção do Brasil em 2006.

A França que ganhou em 98, foi eliminada na fase de grupos em 2002. Foi última do grupo atrás de Dinamarca, Senegal e Uruguai.

A Italia campeã em 2006 foi a ultima do seu grupo em 2010 e atras de Paraguai, Eslovaquia e Nova Zelandia.

Em 2014 novamente isso aconteceu e a toda poderosa Espanha foi eliminada na fase de grupos. E tivemos a Costa Rica deixando na fase de grupos seleções como Italia e Inglaterra.

Uma Copa do Mundo que tenho muito forte na memória, como todos brasileiros por sinal, é a de 2002 quando o Brasil conquistou o penta.

Mas alguém se lembra das equipes que chegaram as quartas de final daquela Copa?

Estados Unidos, Coréia do Sul, Senegal, Turquia. Mas estes times não podem ser consideradas surpresas? Nas semifinais tivemos Brasil e Turquia contra Alemanha e Coréia do Sul. Querem mais surpresas do que isso?

Em 2006 também tivemos Gana e Paraguai nas quartas de final.

Em suma, surpresas são habituais em Copa do Mundo. Assim sempre houveram, e sempre continuarão existindo.

A grande questão é nossa tendência de absolutizar o momento sem analisar o histórico. Não é a Copa das zebras. E isso não pode ser usado como justificativa para resultados negativos nas apostas esportivas.

Portanto devemos sim é evitar os atalhos óbvios de seleções tradicionais contra seleções menores sempre achando que tradição servirá para tudo. A tradição serve mas com limites.

Porque via de regra algumas seleções tradicionais sempre ficarão pelo caminho, quebrando aqueles que só apostam nos favoritos.

 

Quer Apostar na Copa do Mundo de 2018? 500 Reais de Dinheiro Grátis na 1xBet clique aqui e crie sua conta

Perdeu Algum prognóstico? Clique aqui e veja as últimas análises,dicas e palpites
Clique aqui e descubra os melhores bônus de dinheiro grátis disponíveis no mercado.

Adicionar um comentário

Este e-mail já foi cadastrado. Usa Forma de entrada ou introduze outro.

Digitou login ou senha incorreta

Desculpe, para comentar precisa de entrar no site.

2 comentário

primeiro novos
por ranking primeiro novos por cronologia
1

Gostei demais do seu artigo, Rodrigão! Foi perfeito!

Autor2

Obrigado pelas palavras Simão